Primeiro-Ministro visita IPCA no arranque do ano letivo

16 de Outubro, 2020

O Instituto Politécnico do Cávado e Ave (IPCA), em Barcelos, assinalou a abertura do ano letivo 2020-2021 com a presença do Primeiro-Ministro no dia 13 de outubro.

© Associação Académica do IPCA

Num ano marcado pelo regresso às aulas com segurança, mediante o rigoroso cumprimento do Plano de Contingência Interno do IPCA bem como das medidas de segurança definidas pelas autoridades de saúde competentes, António Costa, na sua primeira visita ao Politécnico de Barcelos, teve a oportunidade de visitar as instalações e contactar com os estudantes na Tenda Académica do IPCA.

Neste processo, o ensino superior politécnico tem “um papel chave na articulação entre aquilo que são os recursos de cada região e o tecido empresarial”, sublinhou o Primeiro-Ministro, elogiando o IPCA por já ser “um exemplo da excelência na investigação e no ensino que é ministrado nos seus diversos Polos e da concretização de um sonho, de um trabalho e de uma vida do Professor João Carvalho”.

Elogiou ainda a capacidade do IPCA de patentear o conhecimento científico e a investigação realizada, sendo fundamental que o tecido empresarial nacional tenha a capacidade de transformar esse conhecimento científico em serviços e produtos de valor acrescentado parta a sociedade.

A presidente do IPCA, Maria José Fernandes, referiu que o IPCA registará este ano um crescimento superior a 100% em apenas 10 anos de atividade, garantindo ser “um indicador inédito em todo o sistema de ensino superior”. Este crescimento “simboliza a marca de referência que o IPCA tem hoje, na região e no país, quer em termos da qualidade do seu ensino, da qualificação do corpo docente, das excelentes condições em termos de equipamentos e infraestruturas, do crescimento da investigação e do envolvimento com os parceiros empresariais e não empresariais”, sublinhou a presidente. Em todo o seu crescimento tem havido “um forte aproveitamento” de fundos europeus e investimento próprio do IPCA, de que é exemplo o M-Factory Lab – o laboratório industrial que foi inaugurado, e cujo custo superior a um milhão de euros foi integralmente suportado por receitas próprias.

A Presidente do IPCA aproveitou ainda presença do primeiro-ministro para reforçar a necessidade de ajustar o investimento público no IPCA para resolver o problema estrutural e que afeta a vivência académica dos estudantes do IPCA, nomeadamente a necessidades de construir a residência académica e criar infraestruturas para a prática desportiva e o financiamento público do IPCA.

Ainda na sessão solene, o presidente da Associação Académica do IPCA, João Pereira, destacou os “recordes positivos” conquistados pela instituição neste ano atípico. “Apesar de ser a instituição mais nova do país é uma referência nacional do ensino superior politécnico”, elogiou o estudante, alertando para os problemas na ação social, cujo reforço é de “extrema” necessidade. “Somos o único politécnico que não possui uma residência e deixo aqui o apelo para resolver, de forma célere, este problema”, pediu João Pereira, defendendo que o IPCA “está preparado” para receber cursos de doutoramento.

A sessão de abertura do ano letivo contou ainda com a visita do primeiro-ministro à tenda académica do IPCA onde teve oportunidade de conversar com os estudantes da Instituição. A sessão terminou com a atuação da Tuna Académica do IPCA.